EN

Em Cena

PEDRAS COM ASAS
83ª Produção
Estreia: 22 Novembro 2022

ACTA - PEDRAS COM ASAS

Carreira: FARO > BRAGA > VIANA DO CASTELO > PORTIMÃO > ALBUFEIRA > LOULÉ > COVILHÃ > MAIA > CÁCERES > MONTEMURO > VILA FRANCA DE XIRA > BADAJOZ > SARAGOÇA

Entre paradigmas do amor, da loucura do homem alienado, do tempo presente, uma Julieta incrível contracena com a impossibilidade de um Romeu sem lugar na actualidade.
A acção decorre num cemitério irreal, numa irreal Verona, muitos anos depois do drama shakespereano. Julieta, ou uma mulher que pensa ser Julieta, põe flores todos os dias na sua própria campa. Esqueceu o local onde jaz Romeu – ou nunca o soube. Esqueceu alguns pormenores do drama – se é que alguma vez os soube. Mas mantém viva a ideia de que todos, menos ela, mereceram um lugar digno na História. Desfiando emoções, vestida como uma viúva ou travestida de cores, ora tapando a cara com uma rede negra, ora assumindo-a, Julieta quebra o paradigma do Amor eterno, começando por não gostar de si, e, se calhar, desejando uma réstia de amor que alguém desperdiçou e que lhe sabia tão bem encontrar. Em contraste, Romeu – o espírito de Romeu, um Romeu etéreo e eterno – aparece-lhe. Ele acredita que personifica o amor, mas vai ter algumas surpresas capaz de abalá-lo. E de nos abalar. A acção passa-se na actualidade, durante pouco mais de uma hora, no cenário que traduz a idealização do cemitério de Verona, feita por uma Julieta e no encontro desta com o verdadeiro Romeu.

 

Texto: Alexandre Honrado
Encenação: Luís Vicente
Assistência de Encenação: Tânia da Silva
Intérpretes: Carolina Teixeira e Carlos Pereira
Cenografia: José Manuel Castanheira
Figurinos: Ana Paula Rocha
Maquiagem: Irene Amaral
Construção Cenográfica: João Franck
Apoio Vocal: Luís Madureira
Direcção Técnica e Desenho de Luz: Octávio Oliveira
Técnico de Montagem: Diogo Aleixo e Ivo Trindade
Técnica Estagiária: Sofia Andrade
Apoio ao Movimento: Filipa Rodrigues